siga-nos!
Youtubeadicionar aos favoritosRSSPartilhar

AMRS nas XXIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental

P1840058 1 710 2500
23 Abril 2018

Realizaram-se no passados dias 20, 21, 22 de abril, no Auditório do Cinema Charlot, em Setúbal, as XXIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental, organizada ASPEA – Associação Portuguesa de Educação Ambiental em parceria com a Câmara Municipal de Setúbal e o Instituto das Comunidades Educativas.

Rui Garcia, Presidente do Conselho Diretivo da AMRS, fez parte do leque de oradores da Conferência Inaugural desta iniciativa, dando a conhecer aos presentes o conceito, objetivos e possíveis retornos que o reconhecimento internaional da Arrábida como Reserva da Biosfera trará para a Região e sua população.

“A visão que temos sobre o futuro da nossa Região é através do desenvolvimento económico e social sustentável, isto é, que compatibilizem de forma douradora a presença humana, a atividade económica e pressão urbana, com a preservação do património natural e cultural” afirmou o Presidente do Conselho Diretivo da AMRS, no encontro.

Segundo Rui Garcia, “devemos ser capazes de promover o desenvolvimento sustentável do território da Arrábida. O desígnio de apresentarmos uma candidatura da Arrábida a Reserva da Biosfera não tem o objetivo de obter uma mera distinção. Ser Reserva da Biosfera cria melhores condições para promover o desenvolvimento sustentável da Região, aproveitando as suas potencialidades económicas, com a preservação seu património ambiental e cultural”.

No painel Políticas Públicas, a vereadora do Ambiente da Câmara Municipal de Setúbal, Carla Guerreiro, falou sobre a estratégia ambiental da autarquia, sublinhando o empenho do município na “melhoria da qualidade ambiental do concelho, na preservação do património natural e cultural, no ordenamento do território,” e no contributo ativo “para a salvaguarda do futuro do planeta”.

Neste evento foram também abordados outros temas, tais como: possíveis contributos para o Ano Europeu do Património Cultural, assinalado em 2018; as políticas públicas centrais de dinamização da Educação Ambiental por via da Estratégia Nacional de Educação Ambiental para o período 2017-2020, bem como, uma perspetiva sobre a conjuntura do desenvolvimento da Educação Ambiental, proveniente das mudanças fomentadas pelo Ministério da Educação no presente ano letivo, através da implementação do projeto de autonomia e flexibilidade curricular nos ciclos do ensino básico e secundário.